Pescadores de Santa Cruz paralisam obra de soleira em protesto

Comunicação PACS (26/06/2015)

Comunicação PACS (26/06/2015)

Pescadores de Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio, realizaram uma “barqueata” hoje (26/06) no canal do Rio São Francisco contra a construção de uma soleira submersa (barragem de placas metálicas). O protesto foi organizado porque, segundo relatam os pescadores, a obra da soleira submersa em construção no local está impedindo o trânsito das embarcações. João Luís, 65, pesca há mais de 37 anos na região e se queixa que vem sofrendo desde 2005 com a escassez do peixe por conta da ação do complexo industrial da região. Agora, segundo Seu João, a situação se agravou ainda mais porque a densidade da água e a forte correnteza ocasionada pela soleira estão impedindo a passagem de sua embarcação.

Edson Corrêa, 43, também pescador, denunciou que o projeto inicial da soleira, apresentado aos pescadores pela Associação das Empresas do Distrito Industrial de Santa Cruz e Adjacências (Aedin), responsável pela obra, não deixava claro os prejuízos que esta poderia causar para quem vive da pesca artesanal. “Eles mostraram lá que ia ser de 80 a 84 giros (velocidade da maré) mas agora está entre 108 e 118. Até as lanchas deles mesmos têm dificuldade de passar”, contou.

Segundo Miguel Borba, pesquisador do Pacs – Instituto Políticas Alternativas para o Cone Sul, a obra representa uma ameaça concreta ao trabalho dos pescadores e à soberania alimentar dos moradores de Santa Cruz. “O argumento de que esta é uma das obras necessárias para o enfrentamento da crise hídrica é falso porque na verdade a soleira só irá beneficiar os empreendimentos industriais que já são os grandes responsáveis pelo esgotamento dos recursos hídricos no Rio de Janeiro e no Brasil”, defende.

O grupo de cerca de 20 pescadores estacionou os barcos ao lado da soleira e paralisou a obra durante a manhã. Um mediador enviado pela Aedin chegou ao local para conversar com os pescadores. O grupo só dispersou após conseguir marcar uma reunião entre os pescadores e as empresas na próxima quarta-feira (01/07) para buscar soluções para o conflito. Para os pescadores, a exigência é de imediata paralisação da obra para eles que possam voltar a pescar. “Eles não vivem aqui, não sobrevivem diretamente do rio como a gente. Esse rio aqui é nossa vida”, declarou Edson. A reunião acontece a partir das 10h na ponte do Chatuba, localizada no fim da Reta da João XXIII, em Santa Cruz.

Entenda o Problema:

http://www.pacs.org.br/2015/06/25/pescadores-fazem-barqueata-contra-soleira-submersa-na-zona-oeste-do-rio/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 + 6 =