Todo apoio a deputada Renata Souza (PSOL-RJ) na luta contra a militarização da vida e a política de extermínio de Witzel

Somente nos primeiros três meses de 2019, a polícia do Rio foi responsável por uma em cada três mortes. Foram 434 vidas perdidas, o maior número em 21 anos. Mas, ao invés de buscar meios para reverter o quadro – como aliás é seu papel -, o governo do estado tem dado demonstrações de satisfação diante do aprofundamento do histórico problema de violência. Problema que, como sabemos faz tempo, atinge de forma extremamente desigual brancos e negros; moradores de áreas periféricas e da Zona Sul da capital; além de ter impactos também diferenciados na vida das mulheres, crianças e jovens das favelas e periferias.

O massacre, portanto, não é falha na política de segurança e sim a própria política. E foi este um dos motivos da denúncia feita no último dia 7 à ONU e à OEA, pela deputada estadual Renata Souza O ofício enviado aos dois organismos internacionais se refere à operação policial realizada em Angra dos Reis, no fim de semana passado, na qual um helicóptero, onde estava o próprio governador, Wilson Witzel, fuzila uma comunidade. A ação, registrada em vídeo, foi transformada em absurda peça de autopromoção da política de extermínio do governo do estado.

A reação do governador à denúncia infelizmente não surpreende: ontem (10) em evento da Polícia Civil, Witzel defendeu a cassação do mandato de Renata.

O Instituto PACS repudia as ideias antidemocráticas que estão na base tanto das declarações do governador quanto nas ações violentas sob sua responsabilidade.

Como cria da Maré e pesquisadora, Renata conhece bem e de perto os impactos da militarização do cotidiano. Sua atuação pelo fim da política de extermínio nos orgulha, inspira e representa. Sua voz não pode, de forma alguma, ser calada. Principalmente pela demagogia daqueles que se apresentam como o novo na política e apostam justamente em intensificar a militarização da vida. A mesma que tem fracassado em reduzir a violência há cerca de 40 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 6 =